Empreendedorismo feminino: como as mulheres estão transformando o mundo dos negócios

Finanças para empresas - 29 de Abril de 2019
Tempo de leitura:

O empreendedorismo feminino está em alta. Prova disso é que dos novos negócios abertos no Brasil em 2016, mais da metade foram fundados por mulheres, segundo levantamento mundial feito pela Global Entrepreneurship Monitor (GEM), em parceria com o Sebrae. Detalhe importante que mostra a força do empreendedorismo feminino: três em cada quatro lares no país têm uma mulher como papel principal, sendo que 41% delas têm seu próprio negócio.

Mais do que ter um negócio e lucrar com ele, o empreendedorismo feminino é uma fonte de empoderamento e um instrumento de transformação social. Isso porque, ao mesmo tempo em que as mulheres contribuem para o desenvolvimento da economia, também investem na educação familiar e, com isso, ajudam no crescimento de mais pessoas e estimulam um pensamento empreendedor.

Podemos dizer que o empreendedorismo feminino é um importante catalisador de mudanças e, por isso, deve ser encorajado e valorizado. Empreender pode ser uma ótima alternativa para mulheres que querem se manter no mercado de trabalho, mas que têm dificuldades de conciliar seus mais diferentes papéis (mãe, esposa, filha etc.) com o trabalho formal, por exemplo.

As mulheres têm buscado mais qualificações para conduzir com eficiência suas empresas. Especialistas acreditam que as mulheres possuem características únicas, que podem contribuir para a administração de equipes e empresas modernas, entre elas: empatia, sensibilidade, intuição, resiliência, inteligência emocional e resolução de conflitos. Basta se lembrar da força das nossas mães, né?!

Inspirar, capacitar e conectar

O empreendedorismo feminino tem toda essa força, pois as mulheres buscam apoio umas nas outras para compartilhar experiências e conhecimento. Tanto é que existem espaços dedicados para negócios femininos, como a B2Mamy, uma aceleradora de São Paulo voltada para mulheres que saíram do mercado de trabalho após a gravidez. Além disso, notamos um crescimento expressivo no setor de tecnologia. Na escola MasterTech, criada pela paulistana Camila Achutti, por exemplo, 62% dos alunos são do sexo feminino.

O mais interessante é que essas histórias têm impactado alguns mercados, incluindo o ecossistema de startups. Segundo dados da Associação Brasileira de Startups (ABStartups), 14% das startups brasileiras pertenciam à mulheres em 2018 – um ano antes, esse percentual era de 13%. Um exemplo é a startup Lady Driver, um aplicativo de mobilidade urbana feito por mulheres e para mulheres.

Dicas de como ser sua própria chefe

A tendência é que o empreendedorismo feminino continue crescendo nos próximos anos e que as mulheres, cada vez mais, assumam papéis estratégicos. Em um país com mais de 8 milhões de microempreendedores individuais (MEIs) – saiba como fazer parte desse grupo neste guia completo –, há diversas possibilidades de criar um negócio e inovar. Se você tem uma ideia inovadora e não sabe como tirá-la do papel, vamos ajudar. Vem com a gente!

  • Faça o que gosta: se é pra investir em um negócio, que seja algo que traga prazer e que seja feito com amor. Veja como você pretende impactar seu consumidor, defina quais são seus propósitos, objetivos e, principalmente, seus diferenciais como modelo de negócio.
  • Analise o mercado: pesquise sobre o segmento, veja quem são seus concorrentes e descubra quem você pretende atingir, ou seja, qual o público-alvo do negócio.
  • Seja criativa: traga algo diferente para o mercado, saia da sua zona de conforto e pense fora da caixa! É importante trazer algo inovador, que esteja aliado com seus propósitos e objetivos.
  • Olhe por diferentes ângulos: o que será exatamente a empresa? Até onde pretende chegar com o negócio? Como você enxerga o empreendimento e como quer que os outros o vejam? São perguntas extremamente importantes que podem trazer novas formas de pensar.
  • Monte um planejamento: ter um planejamento detalhado é fundamental para construir um negócio. Liste os prós e contras de cada investimento e defina as etapas a cumprir.
  • Avalie quanto pode investir: no plano de negócios, um ponto extremamente importante é a parte financeira. Primeiro, avalie quanto você pode investir, se tem uma reserva para ajudar nas contas de casa enquanto seu negócio não gerar lucro, por exemplo. Pesquise sobre os diferentes tipos de contas bancárias. Dica: uma alternativa simples e prática é a conta Neon Pejota, que oferece total controle financeiro sem custo algum.
  • Foque no networking: converse com o maior número de pessoas possível, esteja disponível para ouvir diferentes ideias e opiniões. Não tenha vergonha de pedir ajuda, principalmente para quem já atua no setor.
  • Administre seu tempo: gerenciar o tempo é determinante para conseguir focar no que é prioritário, seja uma reunião de trabalho, seja um momento para levar os filhos para passear. Afinal, uma das razões para abrir o próprio negócio é ter mais controle sobre os próprios horários. Para as mulheres, entretanto, esse desafio costuma ser maior, pois na maioria das vezes será preciso se dividir em muitas.
  • Tire a ideia do papel: se você está decidida e montou um bom planejamento, não deixe seu grande projeto na gaveta. Identifique as oportunidades e faça o máximo de parcerias que puder. Isso vai ajudar a alavancar seus negócios!

E, claro, se ficar com alguma dúvida, manda pra gente! Se quiser compartilhar sua experiência como empreendedora, também pode ficar à vontade :)

Baixe o APP

Receba dicas para lidar com seu dinheiro por e-mail

Comentários