Décimo terceiro salário: faça o cálculo e saiba como gastar

Leandro Benincá

Educador financeiro e Embaixador Neon

Finanças pessoais - 26 de Novembro de 2018
Tempo de leitura:

O fim do ano chegou e, com ele, sempre vêm o verão, as festas em família, as compras de Natal, as resoluções para o novo ano, e também o tão aguardado décimo terceiro salário!

E você já deve estar fazendo as contas aí, esperando esse dinheirinho a mais para poder fazer as compras de Natal, ou colocar as contas em dia, não é?

Mas afinal, você sabe como é calculado o décimo terceiro? Quer aprender a fazer suas próprias contas e já planejar direitinho (e com antecedência) o que fazer com esse dinheiro?

Pega um café e fica por aí: hora de saber tudo sobre o cálculo do 13º salário e ainda aproveitar as nossas dicas para fazer seu dinheiro valer mais!

O que é o décimo terceiro salário?

Se você já andou procurando por aí, vai encontrar muito artigo na internet que começa dizendo que o 13º é um "benefício" dado ao trabalhador brasileiro. Ele foi estabelecido por lei em 1962, e depois passou a fazer parte da nossa Constituição Federal de 1988.

E a palavra "benefício" está entre aspas porque, dependendo da interpretação, pode levar a parecer que é um favor que sua empresa está lhe fazendo (e na verdade, não é).

Faz as contas comigo: você trabalha 12 meses do ano, e cada mês tem 4 semanas, certo? Errado.

Na verdade, o ano tem 52 semanas -- pode contar! E se você dividir 52 semanas por 4, dá… 13! Você trabalha, na verdade, "13 meses" de quatro semanas cada. Só que, como nós só temos 12 meses no calendário, ao longo do ano essas 4 semanas a mais são distribuídas -- e ficamos com 4 meses de 5 semanas cada.

Então, no bem da verdade, se você recebesse seu salário semanalmente, sem direito ao décimo terceiro, receberia o mesmo valor em um ano de quem recebe 12 salários mensais + o 13º. Entendeu?

Sendo assim, todos os trabalhadores, incluindo os temporários, domésticos, rurais, servidores públicos e aposentados, têm direito ao 13º salário. E isso inclui também quem está de licença-maternidade, recebendo auxílio-doença ou afastado por acidente de trabalho.

Se você trabalhou por um ano inteiro em uma empresa, tem direito a receber um salário a mais no fim do ano. Se trabalhou menos tempo, também tem que receber, proporcional ao tempo trabalhado.

Como calcular o valor do seu décimo terceiro

A grande dúvida de todo mundo está em como calcular as parcelas (e também os impostos) sobre o seu 13º salário, não é? A gente te ajuda nessa!

Apesar de existirem empresas que preferem pagar integralmente (o que deve acontecer até o dia 30 de novembro), o décimo terceiro salário é normalmente pago em duas parcelas: a primeira até o dia 30 de novembro e a segunda até o dia 20 de dezembro de cada ano.

Algumas empresas adiantam a primeira parcela do décimo terceiro quando o empregado tira férias. Por lei, isso é permitido. Se este foi o seu caso, vai receber só a segunda parcela, claro.

Agora vamos às contas:

A primeira parcela é mais fácil de calcular: é exatamente a metade do seu salário atual, sem descontos. Se o seu salário aumentou ao longo deste ano, vale o maior valor, e você recebe a metade do seu último mês.

Se o seu salário bruto é R$ 3.000, a primeira parcela do 13º salário será de R$ 1.500.

A segunda parcela, que você deve receber até o dia 20 de dezembro, tem um valor menor do que a primeira, seguindo a conta abaixo:

Segunda parcela do 13º salário =

Salário de novembro
(-) Imposto de Renda
(-) INSS
(-) Primeira parcela

Importante: Se você tem pensão alimentícia descontada em folha, ela também vai ser descontada da segunda parcela do seu 13º.

É aí que muita gente se complica -- na hora de calcular os impostos e descontos sobre o décimo terceiro que tem para receber.

Mas não se apavora, continua comigo aqui, que você vai aprender direitinho.

Impostos sobre o décimo terceiro

Os valores de Imposto de Renda e INSS devem ser calculados sobre o valor total do seu salário de novembro, e as alíquotas variam de acordo com o valor do salário.

Mas não se assuste, o cálculo é bem fácil.

Primeiro, você vai calcular o valor do seu INSS (a contribuição para a Previdência Social).

Calcular o INSS do décimo terceiro

Se você ganha: 

O imposto é de:

Até R$ 1.659,38 8%
De R$ 1.659,39 a R$ 2.765,66 9%
De R$ 2.765,67 a R$ 5.531,31 11%
Mais de R$ 5.531,31 R$ 608,44

Uma dica de matemática, rapidinha: para calcular o valor de INSS descontado, divida a alíquota (percentual) por 100 e depois multiplique pelo valor do seu salário.

Por exemplo, se você ganha R$ 3.000, viu na tabela que seu INSS é de 11%, certo? Então, vai fazer a seguinte conta:

11 / 100 = 0,11 x 3.000 = R$ 330

Okay, seu INSS vai ser de R$ 330. Com esse valor na mão, é hora de calcular o Imposto de Renda sobre o 13º:

Calcular o Imposto de Renda sobre seu décimo terceiro

Seguindo o mesmo exemplo, se você ganha R$ 3.000, precisa primeiro descontar os R$330,00 que já pagou de INSS, o que dá R$ 2.670 (não faz sentido você pagar Imposto de Renda sobre o seu INSS, não é?)

Esta é a chamada base de cálculo para o seu Imposto de Renda (e que muita gente faz confusão). O imposto é calculado sobre esta base, e não sobre o seu salário integral.

Agora, olhando para esta tabela abaixo:

Sua base de cálculo: 

O imposto é de:

Parcela a deduzir:

Até R$ 1.903,98 Isento Isento
De R$ 1.903,99 a R$ 2.826,65 7,5% R$ 142,80
De R$ 2.826,66 a R$ 3.751,05 15% R$ 354,80
De R$ 3.751,06 a R$ 4.664,68 22,5% R$ 636,13
Acima de R$ 4.664,68 27,5% R$ 869,36

Você vê que o seu imposto é de 7,5% (já que a sua base de cálculo é R$ 2.670) e que a parcela a deduzir é de R$ 142,80 (sim, você subtrai essa parcela do valor do seu cálculo).

Aí, é só fazer a conta:

7,5 / 100 = 0,075 x 2.670 = R$ 200,25 - R$ 142,80 = R$ 57,45

Agora, juntando tudo, nós temos:

Seu salário integral: R$ 3.000,00
Valor do INSS: R$ 330,00
Valor do IR: R$ 57,45
Primeira parcela: R$ 1.500,00 (metade do seu salário)

Subtraindo tudo, chegamos no valor da sua segunda parcela:

R$ 3.000 - R$ 330 - R$ 57,45 - R$ 1.500 = R$ 1.112,55

Eu sei, eu sei… para quem não é muito fã da matemática, esse monte de números pode assustar. Mas vai fazendo tudo devagarinho, passo a passo, que dá certo!

Clique e baixe o ebook

Cálculo proporcional do 13º (para quem não trabalhou um ano inteiro)

Se você não trabalhou o ano inteiro na empresa, vai receber o décimo terceiro proporcional ao seu tempo de empresa.

Se no seu primeiro mês você trabalhou menos de 15 dias, este mês não entra na conta, ok? Dali pra frente você vai fazer o seguinte cálculo:

Para a primeira parcela: seu salário de novembro, dividido por 12 e multiplicado pelo número de meses que você trabalhou até novembro. Divida este valor por 2.

Por exemplo: se você entrou na empresa dia 2 de maio, trabalhou 7 meses até novembro. Se o seu salário é de R$ 3.000, a conta fica:

R$ 3.000 / 12 = R$ 250 x 7 = R$ 1.750 / 2 = R$ 875

Para a segunda parcela, você divide o salário de novembro por 12, e multiplica pelos meses trabalhados ATÉ DEZEMBRO. Depois, desconta os valores de pensão alimentícia, INSS, Imposto de Renda (sobre o seu salário integral, como calculamos acima), e da primeira parcela que já foi paga.

Seguindo o mesmo exemplo anterior, de maio a dezembro são 8 meses trabalhados, com salário de R$ 3.000. A conta fica:

R$ 3.000 / 12 = R$ 250 x 8 = R$ 2.000 - R$ 330 - R$ 57,45 - R$ 875 = R$ 737,55

O que fazer com o seu 13º salário?

O 13º salário caiu na conta, e agora? Qual é a melhor estratégia na hora do orçamento financeiro nessa época do ano?

Afinal, ele chega num momento propício para ser gasto, já que temos pela frente o verão, as festas de Natal e Ano Novo.

Mas, pra falar a verdade, o 13º só deve ser tratado como extra e gasto livremente se você tiver sido disciplinado o ano inteiro. Se você usar ele para tapar buracos que criou ao longo do ano, e continuar com a vida financeira bagunçada, vai ficar sempre nesse círculo vicioso, não é?

Então aproveite as nossas dicas e use o seu décimo terceiro de maneira consciente este ano, vai!

1. Quite suas dívidas  

Se você deve, é hora de deixar as contas em dia -- ou pelo menos minimizar o problema. Priorize o pagamento de faturas de cartão de crédito que foram parceladas ou financiamentos, já que os juros costumam ser altos e pesar no bolso.

Tenha em mente que começar um novo ano devendo menos (ou nada) é a melhor resolução pra sua saúde financeira.

2. Construa uma reserva

Situações inesperadas acontecem e são bem comuns, e estar preparado para pagar por elas é essencial. Problemas de saúde, problemas mecânicos com o carro, um cano estourado na casa, demissão… Com uma reserva de emergência, todos esses problemas se tornam mais leves e fáceis de encarar. Que tal, então, deixar o dinheiro do seu décimo terceiro guardadinho, rendendo juros todos os meses para você?

Um excelente investimento para isso é o Investimento Livre da Neon, que você pode fazer direto pelo app e resgatar na hora que precisar do seu dinheiro!

3. Pagamentos à vista

Se sua vida financeira está em ordem, você está sem dívidas e com uma boa reserva, que tal usar seu dinheiro do 13º para fazer suas compras de Natal à vista?

Lojas e prestadores de serviços costumam oferecer descontos excelentes para quem paga no ato da compra.

Você compra o que quer, e ainda economiza: o melhor dos dois mundos.

4. Não se esqueça: o novo ano está chegando!

E com o novo ano, gastos como o IPTU e o IPVA, o material escolar dos filhos, matrículas em escolas ou cursos…

Reserve uma parte do 13º salário para quitar essas despesas à vista. Você consegue um bom desconto e não compromete seu primeiro semestre inteiro por causa dessas contas.

5. Não gaste, invista

Se você já pensou em investir e sempre esperou um dinheiro "extra" pra tirar essa ideia do papel: a hora pode ser agora!

Cada vez mais, os brasileiros estão despertando para o maravilhoso mundo dos investimentos -- colocando seu dinheiro para trabalhar e render! Você vai ficar de fora?

Investimentos com baixo risco são uma excelente opção para quem quer começar. E nem pensar em colocar o dinheiro na poupança, né? Ela rende abaixo da inflação, e existem outros investimentos tão seguros quanto ela, mas que rendem bem mais, como o Tesouro Direto, as Letras de Crédito e os CDBs.

Aqui na Neon, aliás, tem duas ótimas opções de CDB, que você pode fazer direto pelo seu app e ainda programar um objetivo para o seu dinheiro.

Vale a pena estudar e se dedicar um pouquinho para fazer seu décimo terceiro render o ano todo!

Baixe o APP

Receba dicas para lidar com seu dinheiro por e-mail

Comentários