Como separar despesas pessoais das contas da empresa: passo a passo

Finanças pessoais, Finanças para empresas - 20 de Agosto de 2019
Tempo de leitura:

Separar despesas pessoais das contas da empresa é o pontapé inicial de uma gestão financeira saudável.

Mas a gente sabe que não é fácil, principalmente no início, quando o pequeno empreendedor é o responsável por todas as atividades da empresa.

Nessa hora, em que o negócio ainda engatinha, é prático colocar tudo na mesma conta.

Afinal, nem é tanto dinheiro assim, não é mesmo?

O problema é que, para crescer, o controle financeiro é vital.

E ele depende de uma boa separação entre despesas pessoais e contas da empresa.

Para ajudar, criamos um guia completo, que dá dicas sobre a criação da conta Pessoa Jurídica, o uso da tecnologia, a importância da contabilidade e muito mais. 

Ficou interessado?

Então dá uma olhada!

Por que separar despesas pessoais das contas da empresa?

Separar despesas pessoais das contas da empresa é essencial para quem abre um negócio.

Por mais que pareça algo evidente, é muito comum ter essa confusão entre novos empreendedores.

Falta de tempo, experiência e conhecimento contam para essa situação.

Só que isso pode custar muito caro.

De acordo com uma pesquisa mais recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada em 2017, 62% das empresas brasileiras morrem na praia cinco anos depois da sua criação.

E os pequenos negócios sofrem ainda mais. Apenas 31,1% das empresas sem funcionários superam os cinco anos de vida, conforme o mesmo estudo.

Em 2016 o Sebrae ouviu empreendedores que fecharam suas empresas para entender os motivos que os levaram a isso. As informações coletadas foram usadas para criar o documento Sobrevivência das Empresas no Brasil.

De acordo com o estudo, gestão financeira é um dos fatores apontados pelos empreendedores como um conhecimento que faltou e que poderia ter ajudado a salvar as respectivas empresas.

Por isso, acreditamos que vale pena conferir os principais benefícios de separar o dinheiro da Pessoa Jurídica e o da Pessoa Física:

Avaliação correta das finanças da empresa

A separação de contas permite que você veja o que é da empresa e o que é seu, como Pessoa Física.

Isso é essencial para descobrir quanto a empresa está faturando de verdade, quais são as maiores fontes de receita, qual é a projeção de caixa para os próximos meses e se o negócio está dando lucro, no fim das contas.

No início, com poucas entradas de recursos, a confusão entre as contas não fica tão evidente.

Mas, à medida que a empresa cresce, a movimentação de recursos aumenta, e o acompanhamento detalhado dos números do negócio se torna mais complicado.

Fluxo de caixa adequado

Misturar as contas cria muita confusão no seu fluxo de caixa.

O fluxo de caixa é o registro de tudo que entra e o que sai da empresa.

Ele serve para monitorar os resultados, averiguar o andamento dos negócios, prever o pagamento de contas e organizar contas a pagar e receber.

Imagine ter que analisar os pagamentos feitos e recebidos no mês se o dia a dia da conta da empresa está cheio de despesas pessoais, como cinema, presentes, compras, etc.

Maior assertividade na tomada de decisões

Em uma empresa, a tomada de decisões sempre leva em conta, de uma maneira ou de outra, as finanças do negócio.

Veja quatro exemplos:

  • Será que vale a pena investir em uma nova frente de atuação nesse momento?
  • Será que a aquisição de um novo sistema de gestão é um bom caminho?
  • Será que faz sentido contratar um novo vendedor?
  • Será que a tomada de um financiamento para a compra de equipamentos é uma boa ideia?

Em todas essas questões, é essencial fazer uma análise dos números da empresa.

E essa verificação fica muito mais difícil quando há confusão entre despesas pessoais e contas da empresa.

Redução do risco de endividamento

Administrar uma empresa envolve uma série de riscos, e nem todos os fatores estão sob controle do gestor. Mudanças no estilo de compra do cliente, o aparecimento de um novo concorrente ou mudanças nas legislações podem afetar repentinamente o fluxo de receitas. Por isso, é perigoso usar o capital recebido pela empresa para as despesas pessoais do empreendedor.

E quando a entrada de dinheiro é reduzida, como fica a situação da empresa? Sem uma reserva e um controle adequado das finanças, pode ser que o negócio não suporte a perda de faturamento.

Segundo pesquisa da Serasa Experian, a inadimplência atingiu 5,305 milhões de micro e pequenas empresas em dezembro de 2018.

Melhora da imagem empresarial

Ter uma conta Pessoa Jurídica é muito importante para reforçar a imagem da empresa.

Com essa distinção de contas, a credibilidade do negócio aumenta, já que o cliente não está pagando para um indivíduo, e sim para uma organização.

Planejamento das despesas pessoais

Controle das finanças não é importante apenas para a empresa, mas também para o indivíduo.

Muitas vezes, a confusão entre despesas pessoais e contas da empresa leva o empreendedor a gastar mais do que pode, por não ter a dimensão exata de quanto do dinheiro que entra pode ser retirado, de fato, por ele.

Assim, a distinção entre as finanças do negócio e da Pessoa Física favorece o patrimônio pessoal do empresário.

Como separar despesas pessoais das contas da empresa

Agora que você entendeu a importância de dividir as finanças pessoais e empresariais, é hora de seguir em frente e começar a colocar em prática!

Veja nossas dicas:

1. Abra uma conta empresarial

Um dos aspectos mais importantes da administração de uma empresa é manter registros precisos de suas receitas e despesas.

Essa é a única maneira de ter uma boa leitura sobre o desempenho do seu negócio.

Dessa forma, abrir uma conta PJ é o primeiro passo para esse controle.

Para isso, leve em consideração a realidade dos novos bancos ou contas digitais, como a Conta Neon Pejota, que oferece facilidade, taxas reduzidas e um painel de controle sob medida para você.

Assim, você evita pagar por um monte de serviços que não serão usados e ganha um aliado importante na organização das finanças da empresa.

2. Use a tecnologia

Além de uma conta digital para sua empresa, é importante contar com um software de gestão financeira.

Esse tipo de ferramenta ajuda muito a controlar o fluxo de caixa, fazer a conciliação bancária, compreender os custos e projetar contas a pagar e receber.

Com essa organização, sua previsibilidade financeira aumenta, e você não precisará usar o dinheiro da sua conta pessoal para bancar despesas da empresa.

3. Estipule um pró-labore

A melhor maneira de separar suas finanças pessoais e empresariais é estabelecendo um pró-labore, um valor mensal que será retirado por você.

Essa medida significa maior previsibilidade de recursos a longo prazo e uma facilidade maior de organizar contas pessoais e do negócio.

Você sabe quanto receberá e não terá a tentação de ficar sacando da conta da empresa.

De tempos em tempos, conforme o crescimento e os bons resultados do negócio, você pode fazer uma distribuição de lucros, para obter mais recursos para sua Pessoa Física.

4. Leve em conta o uso dos bens pessoais

Muitas vezes, empreendedores usam bens pessoais para as funções da empresa sem nem perceber. Sabe aquele celular que está no seu nome, mas é usado principalmente para ligações de negócios? E o notebook que você usa no trabalho e que foi comprado no seu nome?

O ideal, claro, é que tenha uma distinção completa entre o que é da Pessoa Física e o que é da Pessoa Jurídica. Mas, mesmo que isso não seja possível neste momento, é válido fazer uma estimativa de quanto custam os recursos pessoais que são essenciais para a empresa.

Isso permite que você melhore o diagnóstico das finanças do negócio, que envolvem absolutamente tudo que é usado para fazê-lo funcionar. A longo prazo, uma noção melhor dos custos pode fazer a diferença!

5. Não use receita de negócios para pagar despesas pessoais

Essa dica já foi dada, mas vale reforçar: o dinheiro da empresa não pode ser usado para contas da Pessoa Física.

Com o crescimento do empreendimento, você poderá aumentar seu pró-labore sem ficar retirando a esmo todos os recursos que entram na sua conta empresarial.

6. Contrate um contador

Manter as finanças em dia pode ser um grande desafio, especialmente se você for um pequeno empreendedor.

Por isso, contar com o auxílio de um contador é uma medida que vai muito além da obrigação tributária e dos compromissos fiscais.

Ele vai ajudar a organizar as contas e o seu planejamento, para que você possa separar melhor despesas, contas, custos e o dinheiro da Pessoa Física e da Pessoa Jurídica.

Quanto sua empresa está lucrando de fato? Quais são os custos totais do negócio? Quanto você paga de impostos e tributos no final das contas? É viável reinvestir os lucros na empresa? Como fazer a distribuição dos lucros para trazer algum dinheiro para a Pessoa Física?

Essas dúvidas são apenas exemplos de questões que merecem a atenção do contador, que pode se tornar um aliado estratégico do negócio.

É hora de planejar as contas da empresa

Separar as contas da empresa das despesas pessoais é o primeiro passo para o controle das finanças do negócio. Mas é preciso ir além!

Uma boa gestão financeira significa previsibilidade de receitas, controle de contas a pagar e receber, fluxo de caixa em ordem, reserva para emergências e capital para investir e crescer.

Para isso, buscar conhecimento, como você está fazendo agora, é uma excelente medida!

No blog da Neon Pejota, nós preparamos conteúdos sob medida para empreendedores como você, que estão de olho nas finanças para crescer melhor e mais rápido ;)

Gostou das dicas deste artigo?

Compartilhe nas suas redes sociais e conte com a Neon Pejota para ficar sempre no azul!

Baixe o APP

Receba dicas para lidar com seu dinheiro por e-mail

Comentários